Verdadeiras armadilhas: As piriguetes

Também é conhecida vaca, cachorra, vagabunda, biscate, oferecida, assanhada, pilantra, vadia e por aí vai...


As piriguetes não são prostitutas. Pois as prostitutas trabalham. As piriguetes querem dinheiro fácil. Piriguete vai para baladas à procura de homens que as banquem por inteiro (ou seja que paguem tudo para elas porque geralmente saem sem dinheiro). Muitas delas costumam usar blusas decotadas, calças ou shorts bem apertados, brincos bem grandes nas orelhas, colares do tipo ‘eu cheguei’, sandálias ou tamancos bem altos e vestuário bem característico delas, fazendo-as bem reconhecíveis quando chegam nas baladas e micaretas.

As piriguetes são bonitas, Mas não se engane, caro amigo. É tudo só fachada. Por dentro o conteúdo é zero. São verdadeiras armadilhas para otários (especialmente os que tem dinheiro).

Na opinião de algumas feministas ou muito liberais, elas são aquelas mulheres independentes e informais que levam o feminismo tão a serio que agem como os homens, dando em cima dos caras que elas considerem bonitos (ou não), solteiros ou mesmo comprometidos, visto que isso pouco importa para elas porque o que elas querem é sexo, de preferência com alguém de boa situação financeira.

Existem várias teorias a respeito das piriguetes: Uma, dizendo que toda mulher tem o seu lado ‘piriguete’ ou seja, se ela for traída ou muito machucada por um homem canalha, por causa das inúmeras decepções amorosas, ela viraria uma piriguete de primeira (ou melhor dizendo, de última) qualidade. Outra, diz que elas apenas seguem a linha “eu pego, mas não me apego”,

Elas estão por todos os lados. Desde os aniversários de crianças. Ao leve toque de qualquer música, ocorre o piriguete "mode on" e as adeptas começam o ritual do rebolado. Sempre com as mais “estilosas” roupinhas, e aquele sorrisinho sensual. Para ajudar você a reconhecer esse tipo de criaturas, ou quem sabe até para você mesma se identificar com o grupo, segue o texto em 10 passos:

1 - A roupa: 
Piriguete profissa gosta de se mostrar, e como (na maioria das vezes) a parte intelectual não é muito exibível, o mais válido é apelar para a parte “física” da coisa mesmo. Micro blusas com cores fluorescentes e sutiã à mostra são a última moda do baile funk mais próximo. Saias jeans (também micro, é claro) são indispensáveis, principalmente se forem surradas e rasgadas, como era moda há uns 6 anos.

2 - Gritos:
A piriguete que está consciente de si mesma não pode deixar de gritar e falar alto enquanto conversa com as outras amigas. Não importa o lugar, e nem o assunto. Não se assuste ao escutar conversas íntimas do tipo “o que fiz ontem com meu namorado” no meio de um ônibus lotado, ou na fila do banco. Risadas estridentes também são muito características, principalmente se a dita cuja em questão utilizar o recurso para chamar a atenção dos machos da espécie.

3 - Maquiagem: Mau gosto sempre aflorado é uma marca inviolável de piriguetes. Vão sair à noite? Então abusam do delineador preto, mas antes pegam aquela sombra azul-piscina ou verde-limão básica e deleitam-se no prazer. Mas outro ponto indiscutível é o pó compacto pelo menos três tons abaixo do que a pele, um mistura de gueixa com complexo de Michael Jackson. Batom marrom-gostoso e blush-chegay também são muito característicos.

4 - Ponto de Encontro:
Piriguete que é piriguete vai pra balada com as amigas pra causar (não sei o quê, mas vai). E qual a festa do fim de semana? As opções são certas: Baile Funk com presença de Mulher Melancia, ou forró agarradinho (e suadinho… e calorzinho… e encoxadinho…), Noite Sertaneja com a super banda do momento Robston & Gleivissiton, ou quem sabe uma Micareta fora de época com direito ao Abadá Multicolor, que depois da festa vira roupa de guerra.

5 - O Vocabulário:
É praticamente uma outra língua, um fenômeno socio-antropológico interessantíssimo! Além de falar tudo daquela forma linda, já descrita no tópico 2, a piriguete TEM que cometer suas gafes orais. Sempre liga pra rádio pra pedir aquela música da última festa, “Alô! Eaí, fulano! Hahuaha *risada estridente* toca aí a música da Pátyureendis api pá nóis!”. A atendente responde: “Qual música?! o.O”. “Aquela ué, que toca toda hora nas festas, que fala Pátyureendis api! Pátyureendis api!”, a pobre criatura responde. “Ok .___., mas qual é mesmo seu nome?” a atendente fala. “É Rosicleide, mas pó chamá de Rosete, que é como o povo dus baile chama eu!” “Obrigada, senhorita… Rosete. Boa Tarde!@__@ ”

6 - O salto:
Uma grande verdade! Piriguete pode ser tudo, menos desequilibrada! Salto? Só se for maior do que 10 centímetros. E tem que ser de plataforma pra ficar mais estiloso, principalmente se for aquela de plástico cor-de-madeira! Se for de amarrar até no joelho, estilo Carla Perez, fica mais piriguéstico ainda!

7 - Gosto Musical:
Piriguete, ao contrário do que muitos pensam, não gosta SÓ de música brega. Piriguetes modernas e atualíssimas são bem ecléticas. Mas concorde comigo: é diferente escutar e sentir a música. Não venha me comparar Caetano Veloso com o último single de Mc Créu! É uma concorrência desleal, e toda piriguete experiente sabe que não dá pra tremer as partes baixas ao som de Bossa Nova!

8 - Clima:
Piriguetes tem o poder sobrenatural de se adaptarem às variações climáticas de todos os ínfimos do mundo. Frio?! Isso é para fracos, não para elas. Afinal, se sentissem frio, como poderiam usar as roupitchas básicas no balada?! É tudo uma questão de evolução adaptativa. Darwin explicaria isso muito bem se houvessem piriguetes em Galápagos.

9 - Coragem:
Vida de piriguete é uma caixinha de surpresas. Cada balada uma aventura! Quem mais poderia ir pra aquele baile funk com toda a convicção de que não vai pegar um mísero sapinho? Elas não medem esforços, mesmo em concursos de pegação com as amigas. Mas se formos pensar… nem é tão ruim assim, não é mesmo? Afinal, o que são 15 caras diferentes numa festinha só?

10 - Piercing de Umbigo:
Uma marca registrada! Quer ser piriguete? Então vá no local mais próxima e coloque já o seu lustre dependurado na barriga. Não importa a cor, nem os detalhes, o importante é o tamanho! Quanto maior melhor! E é claro, sempre deve estar à mostra na balada! Aquilo brilha feito um globo de luz na hora do Créu, ainda mais se for na velocidade 5!

E você mulher que esta lendo esse artigo não se envergonhe caso você tenha se identificado com esse texto, pois nunca é tarde para mudar!

7 Milhões de Comentários:

Caroline Targino disse...

& então :D
Adicioneei já o/

XoXo :*

Caroline Targino disse...

Me segue & me explica como é que faço o mesmo , HAHA :D

Fernanda disse...

hahahaha, o mundo ta cheio por ai, meu bairro então, nem se fale..rs

Flor de Liz disse...

Vou seguir seu blog!
Eu morri de rir lendo o post!
Voce descreveu perfeitamente! É exatamente assim!
Na minha cidade o que não falta é piriguete!
O fato de não sentir frio... De não ter medo de pegar sapinho ou qualquer outra doença que seja... Você as descreveu com vigor! haha
Adorei!
Sempre que der, passo por aqui! :D
Beijos.

João Batista de Lacerda disse...

Obrigado pela visita e comentário no meu blog.
Volte outras vezes.
Retribuo sempre.

Caroline Targino disse...

KKKKKKKKKKKKKKKKKK, ri muuuito :D

Thay Soares disse...

kkkkkkkk, eu A-M-E-I esse post, a coisa que eu mais odeio na vida é piriguete.
Beijiiinhos fofa.

Postar um comentário

De mais vida ao blog, comente!!

Se você gostar do blog, ajude agente virar ''los-gringo'' :)
.. é só clicar em ''Participar desse site'' em seguidores na lateral do blog, fazer o login, e clicar em concluir.
Pronto! você ajuda agente crescer e sua foto fica na lateral do blog, legal né!

_______________________________________________________
Os comentários não são moderados, portanto não exagere, ou arcará com as consequências (que eu não sei quais são).
Comente com link pra mim retribuir.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...